A vida de Frida Kahlo fotografada por Nickolas Muray

O fotógrafo que foi amante e amigo de Frida Kahlo deixou retratos icônicos e intimistas da artista.

Nos anos 30 e 40, o fotógrafo Nickolas Muray era amigo, amante e confidente de Frida Kahlo. Ao longo do relacionamento, ele produziu algumas das mais icônicas fotografias da artista. Um dos pioneiros na adoção da fotografia colorida, Muray teve à sua disposição uma modelo virtuosa, sedutora, vibrante e cercada de muitas cores.

Muray fez cerca de 90 retratos de Frida Kahlo entre 1937 e 1948, capturando diversos aspectos da vida da artista que, durante o mesmo período, produziu alguns de seus mais importantes trabalhos envolvendo sua imagem e vida pessoal.

Frida e Nickolas. Foto: Nickolas Muray

Muray e Kahlo se conheceram em 1931 através de um amigo em comum, o artista Miguel Covarrubias. Muray estava em sua primeira viagem ao México e já era renomado por seus trabalhos como retratista de celebridades e por seu uso da fotografia em cores, novidade na época. Frida Kahlo ainda estava no início de sua carreira como pintora, e ainda era mais conhecida por ser esposa do grande muralista Diego Rivera. Embora não hajam registros da viagem, entre as evidências do início de um romance entre Muray e Frida está um bilhete rabiscado por ela em um guardanapo: “Eu te amo como eu amaria um anjo. Você é um lírio-do-vale, meu amor.”

A viagem deu início ao um romance de uma década que proporcionou diversas imagens da intimidade de uma das mais populares artistas do século XX. Muray captou Frida Kahlo em seu estúdio e em casa, com amigos e amantes, e envolta em seus icônicos quadros de autorretratos.

Foto: Nickolas Muray

Os registos de Muray acompanharam Kahlo em seu crescimento como uma grande artista de fama mundial, mesmo com o fim do relacionamento, em 1941. Nickolas continou fotografando a tragetória de Frida Kahlo por mais nove anos (poucos anos antes da morte da artista, em 1954), e esteve presente, inclusive, em momentos delicados de sua intimidade – como a constante batalha de Frida contra as limitações físicas que a submeteram a mais de 40 cirurgias ao longo da vida.

Em uma carta, em 1939, Muray lhe escreveu: “Gostaria de ter magia às minhas mãos… lhe carregaria acima das nuvens, até o Sol, e teria uma conversa com o cara que supostamente criou… os cactos e o mundo em volta, os porquinhos, e Diego, e você, e eu, e Miguel” “Talvez ele me dissesse o segredo de como lhe fazer melhorar, para que você pudesse cantar, e sorrir, amar e brincar novamente, como eu já a vi fazer antes sob a luz do Sol ou no escuro da noite.”

Assim como os próprios autorretratos de Frida, Muray registrou a artista em momentos vulneráveis e frágeis, mas também em toda sua individualidade, resiliência e cores – complementando, assim, a obra de Frida Kahlo e fortalecendo seu legado, não apenas como artista, mas como um ícone cultural.

Veja abaixo mais alguns dos retratos de Frida Kahlo feitos por Nickolas Muray:

Nickolas Muray, “Frida by Organ Cactus Fence”
Nickolas Muray, “Frida Kahlo com Rebozo Magenta”, 1939. Matthew Liu Fine Arts

 

 

 

 

 

 

 

 

Frida Kahlo pintando “As duas Fridas”, 1939. Foto: Nickolas Muray
“Frida e Diego com uma máscara de gás”. Foto: Nickolas Muray
Nickolas Muray, “Frida Kahlo no banco branco”, 1939. Throckmorton Fine Art

- Publicidade -

Você pode gostar também