“Xilogravura popular” por xilógrafos, poetas e cantadores

Exposição encontra-se no Museu Nacional da República conta com artistas como J. Borges, Samico e Ariano Suassuna

A mostra Xilogravura Popular ganha espaço para visitação no ponto alto de Brasília. O acervo conta com mais de 300 xilogravuras pertencentes ao artista Carlos Randolfo, importante galerista recifense e grande nome para os xilogravuristas pernambucanos.

A exposição conta com curadoria de Edna Pontes e Fábio Magalhães, que descobriram as obras de Randolfo e a importância do seu vasto acervo. A galeria ficou dividida em dois lados, a qual um conta com xilogravuras de origem popular, fazendo parte dela J. Borges, Dila e Mestre Noza, artistas referencias de produções vindas do Ceará, Juazeiro do Norte e Pernambuco. Já do outro lado se encontram as peças designadas como “eruditas”, contando com nomes como Samico, artista conhecido por realizar uma xilogravura por ano, Djanira e Efraim de Almeida. Nessa área também se encontram obras do escritor renomado Ariano Suassuna.

“É fascinante porque a xilo tem origem no cordel, mas, a partir dos anos 1970, ela começa a ter uma vida própria no sentido de ser autônoma, mas com a linguagem e a temática das xilos feitas para o cordel. ” Edna Pontes, curadora.

Data: 27/11/2018 a 10/02/2019
Horário: Terça-feira a domingo, das 9h às 18h30
Local: Museu Nacional da República
Valor do Ingresso: Entrada franca

Pato Preto – Dila

- Publicidade -

Você pode gostar também